• Joice Ribeiro

Especial: Seleção de fornecedores na Construção Civil

Este artigo foi escrito por Patricia Seiko Okamoto, Diretora da Qualitéch Consultoria e Projetos LTDA, com colaboração de Joice Ribeiro Giacon, COO da Optimum Supply, em uma entrevista sobre a importância da seleção de fornecedores na Construção Civil.

O artigo original você lê aqui no blog da Qualitéch.



Gestão de suprimentos, transformação digital e o atendimento da NBR 15.575


Neste artigo trataremos da importância da gestão de suprimentos, sob a ótica da seleção e contratação de fornecedores para a obtenção do desempenho desejado nas edificações e para o atendimento das exigências da NBR 15.575. Abordaremos como a transformação digital e ferramentas tecnológicas, até então pouco utilizadas na Construção Civil, podem ser grandes aliadas na seleção de parceiros e em tomadas de decisões para se atingir os resultados almejados.


Em artigo anterior já discutimos a relevância das alianças estratégicas e da seleção de empresas de projeto para a obtenção do desempenho em edifícios. O texto da NBR 15575 explicita claramente as responsabilidades dos fornecedores:

1) Caracterizar o desempenho dos seus produtos e sistemas, apresentando informações suficientes e atualizadas de seus produtos, de forma a embasar tomadas de decisões de arquitetos, engenheiros e empresas incorporadoras e construtoras.

2) Seguir as normas técnicas brasileiras aplicáveis, ou caso não exista norma específica, comprovar o desempenho de seus produtos com base na própria NBR 15575 ou em normas internacionais ou estrangeiras.


Além disso, é fundamental que estes fornecedores indiquem a vida útil prevista e os cuidados na operação e na manutenção dos produtos aplicados, apresentando importantes informações a serem encaminhadas aos usuários finais através dos manuais de uso e operação dos edifícios, cuja elaboração é responsabilidade das empresas incorporadoras e construtoras.


Em se tratando de uma ou mais edificações são inúmeros insumos e sistemas a serem especificados, contratados e comprados e que variam de acordo com as características de cada empreendimento.


Na busca do desempenho em edifícios, além do custo, prazos, aspectos legais, financeiros e fiscais, a escolha dos fornecedores deve levar em conta a obrigatoriedade no atendimento às normas técnicas; a realização de controles tecnológicos de produção; licenciamento ambiental; a qualidade do atendimento; assistência e apresentação de características técnicas de produtos subsidiando a elaboração dos manuais de uso e operação e a realização de manutenções; capacitação da equipe e qualidade de processos internos (certificações como a ISO 9001 e selos de qualidade, por exemplo); credibilidade; confiabilidade e a aderência aos requisitos dos sistemas PBQP-H (SiNAT,SiAC, SiMaC), no caso de habitações populares como aquelas enquadradas no programa Minha Casa Minha Vida.


Outro fator importante é que a escolha de fornecedores deve sempre estar de acordo com o empreendimento em questão, ora priorizando um ou outro fator, como: proximidade com o local de utilização, facilidade de montagem, execução ou aplicação, entre outros. Alinhamentos com as prioridades e valores da contratante também devem ser levados em conta, tais como padrões construtivos, preocupações com o meio ambiente, aspectos sociais e econômicos, por exemplo.


Para a seleção de fornecedores, além de se conhecer as características do projeto em questão (o que inclui especificações e logística de execução das obras), são necessárias diversas habilidades, entre elas a de negociação, análise de riscos, planejamento, conhecimentos técnicos de engenharia, de tecnologias disponíveis no mercado, de produção e/ou fabricação, estoques, armazenamento e logística, de fluxos de materiais e de informações ao longo da cadeia, visão sistêmica, tributações, entre outros temas relacionados à gestão de rede, da cadeia e de compra de suprimentos na Construção Civil.


São inúmeras competências necessárias e a utilização da tecnologia se mostra, neste sentido, como grande aliada para a otimização dos processos de tomada de decisão. Entrevistamos a MSc. Eng. Joice Ribeiro Giacon, diretora de operações da Optimum Supply, uma empresa especializada em oferecer soluções para seleção de fornecedores, a qual, entre outros serviços, possui uma plataforma digital inovadora especializada na condução destes processos seletivos via web.


Patricia Seiko - Olá Joice, bem vinda à Qualitéch Consultoria e Projetos LTDA! Você poderia se apresentar e apresentar a Optimum Supply?


Joice Ribeiro Giacon - Olá! Obrigada pelo convite, Patricia! É um prazer estar aqui para falar um pouco do nosso trabalho! Sou engenheira mecânica, e assim que me formei já comecei a trabalhar em Supply Chain, iniciei a carreira em Suprimentos e me identifiquei muito com a área. Nesta época cursei meu mestrado em Engenharia de Sistemas Logísticos e comecei a estudar uma metodologia para tomada de decisão chamada MCDA – Multi-Criteria Decision Analysis, algo que mudou minha maneira de avaliar todas as situações! Essa metodologia é altamente eficaz para estruturar e racionalizar decisões estratégicas e complexas, ou seja, que possuem muitos objetivos, têm aspectos intangíveis, envolvem diversas pessoas e áreas, são de médio ou longo prazo, possuem riscos e incertezas, como ocorrem com as decisões nas compras corporativas.


Utilizando nossa expertise, a Optimum Supply nasceu com o objetivo de auxiliarmos empresas de diversos segmentos na tomada de decisões estratégicas na área de Suprimentos. Disponibilizamos uma plataforma e-procurement SaaS (Software as a Service) para execução de processos seletivos com base na metodologia MCDA, ou seja, capaz de considerar múltiplos critérios na escolha de fornecedores de forma amigável e dinâmica; e também atuamos por meio de capacitação e consultoria especializada.

Patricia Seiko - Poderia falar um pouco sobre a seleção de fornecedores e os diferenciais de se utilizar a metodologia multicritérios?

Joice Ribeiro Giacon - O modelo tradicional de compra é escolher pelo menor preço, e o aspecto financeiro sempre vai ser uma grande preocupação do profissional de Suprimentos. Porém selecionar um fornecedor apenas pelo preço, mesmo que ele atenda às especificações exigidas, é uma decisão de baixo valor pois não se está considerando os objetivos fundamentais da empresa (ou projeto). As opções de fornecimento aumentaram sua complexidade de forma exponencial nos últimos anos, com grande número de especificações, opções e variedades no mercado e preocupações intangíveis que a cada dia são mais relevantes: imagem da marca, inovação, aspectos sociais, impactos ambientais, entre outros. Como considerar tudo isso no momento da escolha?


Estudos de psicologia comportamental realizados nos últimos 50 anos comprovam que os seres humanos têm limitações cognitivas intrínsecas para decidir bem em situações complexas, particularmente naquelas em que há um número grande de objetivos a serem atingidos, um vasto conjunto de opções a serem consideradas e um nível grande de incerteza sobre os resultados possíveis. Somos muito menos racionais do que imaginamos, como bem mostra Dan Ariely em seu livro “Previsivelmente Irracional”.

Portanto o uso de uma metodologia para apoiar a tomada de decisão é essencial, principalmente quando falamos de seleção de fornecedores estratégicos, cuja performance terá impacto significativo nos resultados da empresa, ou da obra falando especificamente para construção civil. Na análise multicritérios garantimos alinhamento estratégico priorizando os principais objetivos (critérios) requeridos para cada escolha, e os resultados são medidos por meio do valor gerado por cada alternativa. Desta forma conseguimos comparar objetivamente fatores qualitativos e quantitativos, propiciando dados e análises para uma negociação direta e clara com cada fornecedor, tanto de custos quanto de nível de serviço. Como consequência também melhoramos o relacionamento com os fornecedores de maneira transparente e profissional, desenvolvendo-os e aumentando a competitividade de forma saudável; e reduzimos riscos por contratar fornecedores mais alinhados à estratégia do projeto.

Patricia Seiko - A Construção Civil produz produtos únicos. Cada empreendimento é diferente do outro em diferentes quantidades de aspectos, dependendo de quem o empreende, de sua complexidade, do local e terreno em que será produzido, das especificações técnicas, entre outros fatores. Este é um dos diversos motivos pelos quais não apresenta inovações tecnológicas no mesmo passo que outros setores econômicos. Como uma transformação digital poderia auxiliar as empresas da Construção Civil na gestão de suprimentos e compras?

Joice Ribeiro Giacon - Realmente a velocidade da inovação é diferente nos variados setores! A transformação digital na área de compras foi iniciada com a automação de atividades operacionais, o que pode não gerar muitos ganhos para a construção civil, dadas as características de unicidade de cada empreendimento, como você pontuou. Porém cada vez mais temos empresas inovando com soluções para gestão estratégica, com ferramentas que aportam inteligência nos processos e são customizáveis para realidade de cada cliente, analisando spend, processo de homologação, gestão de contratos, crédito financeiro, gestão de resíduos... Tem muitas empresas inovadoras surgindo, capazes de atender as demandas da construção civil e acelerar este processo de inovação.


No caso da Optimum Supply, fazemos a transformação digital otimizando e apoiando a tomada de decisão, com olhar estratégico e de gestão de riscos, e não apenas digitalizamos o fluxo de informações. Nossa solução é totalmente parametrizada com os objetivos e preferências do usuário, sendo possível fazer uma decisão colaborativa dentro da plataforma, envolvendo stakeholders na análise e avaliação dos critérios. Nós geramos ganhos de produtividade com a replicação de modelos bem estabelecidos; por exemplo para um empreendimento civil podem ser criados alguns frameworks com características similares de compra que serão reutilizados dentro da mesma obra e também em outras com similaridades, economizando tempo enquanto garante-se uma decisão assertiva, bem justificada e negociada de forma embasada. E claro, também há o benefício de compliance por executar todo processo na plataforma, com isonomia de condições e na comunicação com os fornecedores, registros auditáveis, e toda documentação organizada.


Patricia Seiko - Você poderia citar cases de sucesso?

Joice Ribeiro Giacon - Como a empresa é recente e ainda não temos clientes no setor de Construção Civil infelizmente não tenho como compartilhar algo mais específico, porém temos alguns cases bem interessantes para ilustrar alguns tipos de utilização. Um que gosto muito pela grande complexidade é sobre a compra de serviços de recapagem de pneus (quando se troca a banda de rodagem do pneu, reutilizando a carcaça e aumentando sua via útil), do nosso cliente BBM Logística. Nesta licitação, envolvendo altos custos e volumes, existiam 12 tipos de pneus diferentes para serviço em 9 filiais (o serviço exige retirada e entrega em cada filial), com grande exigência técnica e operacional dos fornecedores, e análise da capacidade de prestação de serviços adicionais e emergenciais. Seis fornecedores participaram do processo seletivo realizado pela plataforma Optimum Supply, resultando em um cenário de quotização entre os dois fornecedores mais aptos em uma quebra geográfica, com redução de custos de 13% após a negociação, o que em valor absoluto trouxe uma economia de R$ 430 mil no ano.


Um outro case interessante foi a troca de transportadora para uma rota interestadual, pois o fornecedor incumbente tinha péssima performance. A seleção do novo fornecedor trouxe grande melhoria nos níveis de serviço: 75% de redução no indicador de avarias, 57% de redução no prazo de entrega com 34% de melhoria de pontualidade, e aumento de disponibilidade extra em 18 vezes. Também apoiamos a negociação de preço com o novo fornecedor, obtendo uma redução de 8% em relação ao seu custo original enquanto foi mantido o nível de serviço superior.


Patricia Seiko - A transformação digital e as startups estão chegando como grandes impulsionadoras do aumento de produtividade na Construção Civil, mas são ainda muito recentes. É muito interessante se ter uma visão do que ocorre em outros setores para que possamos mais facilmente fazer paralelos e saber onde podemos chegar. Segundo sua visão e para o nosso setor, quais aspectos podem se mostrar mais críticos na seleção de fornecedores após a pandemia do Covid-19?


Joice Ribeiro Giacon - Em situações de crise o essencial vem à tona: garantir o básico, minimizar riscos, ter confiabilidade. Alguns custos importantes podem ficar em segundo plano por um momento, pois é preciso dar prioridade à manutenção da operação, e se sua cadeia de suprimentos não for robusta e resiliente você certamente enfrentará sérios problemas. Após a crise o normal vai se restabelecendo com alguns aprendizados, na área de suprimentos acredito que uma grande lição é o valor do desenvolvimento de parcerias com os fornecedores. No momento em que a produção não é suficiente para atender todos os seus clientes, qual você vai priorizar? Escrevi um artigo sobre este assunto que pode ser acessado aqui.

Outro ponto é sobre como cada vez mais precisamos ser dinâmicos na adaptação. A pandemia gerou grandes mudanças na forma de trabalharmos e nos relacionarmos, e quem se ajustou aos novos modelos mais rapidamente teve vantagem. A transformação digital tem um papel enorme nisso, pois propicia um alcance e velocidade muito maiores nesta nova forma de fazer negócios. E isso é algo que mesmo depois da crise vai continuar ocorrendo, pois o mundo está evoluindo de forma mais rápida do que conseguimos perceber. Na seleção de fornecedores isso é visível, para sobreviver os fornecedores precisam ser flexíveis, atender prontamente às solicitações, e ainda mais na construção civil, garantir eficiência e confiabilidade customizando as necessidades de cada projeto. Começamos a entrevista falando que não é só preço que importa, e acredito que após a pandemia isso será ainda mais justificado, dando espaço para a valorização de outros atributos relevantes cujas performances são cruciais para o resultado.


Patricia Seiko - Com a absoluta certeza! Joice, a Qualitéch agradece imensamente sua colaboração e esperamos que a inserção de ferramentas tão poderosas como a da Optimum Supply possam ser cada vez mais utilizadas na gestão da cadeia produtiva da Construção Civil para tomadas de decisões.


Joice Ribeiro Giacon - Patricia, foi um prazer. Agradeço a oportunidade de compartilhar um pouco do nosso trabalho e de apresentar como podemos contribuir para a gestão de processos de suprimentos no setor de Construção Civil. Aproveito para me colocar à disposição tanto da Qualitéch quanto dos seus leitores. Obrigada!


Zele também pelos processos de suprimentos e compras em seus empreendimentos, visando garantir o atendimento das exigências da NBR 15.575. Reavalie seus fornecedores com frequência antes de tomar decisões. Afinal, uma eficiente gestão de suprimentos é fundamental para o desempenho das edificações.

Saudações e até o nosso próximo artigo!


Patricia Seiko Okamoto

Qualitéch Consultoria e Projetos LTDA

contato@qualitechconsultoria.com.br

+55 11 99287-7450

Conheça nosso site: www.qualitechconsultoria.com.br


Patricia Seiko Okamoto é arquiteta formada pela FAU-USP, especialista em Tecnologia e Gestão na Produção de Edifícios e Mestre em Ciências com ênfase em Engenharia Civil e Urbana pela Escola Politécnica da USP. Fundadora e Diretora da Qualitéch Consultoria e Projetos LTDA.


Joice Ribeiro Giacon é engenheira mecânica, Mestre em Ciências com ênfase em Engenharia de Sistemas Logísticos pela Escola Politécnica da USP, certificada em Logística Global e Gestão da Cadeia de Suprimentos pelo Massachusetts Institute of Technology (MIT) e Diretora de Operações da Optimum Supply.

  • LinkedIn ícone social
  • YouTube

+ 55 11 93424-2194

Rua Vergueiro, 2087 - 1° andar

Vila Mariana

CEP 04101-100

São Paulo, SP - Brasil

OPTIMUM SUPPLY 2020 | Todos os direitos reservados